QUANDO

o tempo chega
coisas se ajustam
em suas normalidades,
o frio corta a pele
e o calor estabelece
outra sensibilidade;

o tempo chega
pode-se dar à bazofia
sem reservas,
e num espelho adiado
surge esse forasteiro
que mudo, hiberna;

o tempo chega
desloca o eixo da alma
latitude, longitude,
a medida digna de nota
aponta resoluta
o oeste da juventude;

o tempo chega
vê-se com espanto,
não menos propriedade,
uma criança inquieta
a correr os labirintos
de todas as idades;

que o tempo chega
oportuno, pontual
os voo são outros
no chão, nas alturas
a pressa será menor,
e mesmas, as procuras...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM NA GARRAFA

VIDÊNCIA

O EQUILIBRISTA