MECANISMO

quis forjar as pedras
disto que inexiste
compor o intangível
da distância de tudo,

pedras de palavras
em poeira, vento
e das estrelas a luzir
entre astros mudos;

quis engendrar luz
de névoas e ocultos
desgastar o ferro
na oxidação de durar,

e essa linguagem
de engenhos pontua
um mecanismo vivo
no influxo de pensar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALÉM DA JANELA

CORRENTEZA

INÍCIO E FIM