Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2012

SEM FIM

Imagem
Cultivo muitas vidas por dia Depois morro a cada contrato Para nascer o tempo me expia Dos motivos por que me mato
Escrevo um livro cada hora No momento seguinte esqueço Quando a febre vai-se embora E junto à penumbra estremeço
Leio a alma num segundo Mas desconheço qual razão As magas desfiam outro mundo Contudo, este é minha prisão
Canto uns versos pelo sem fim De tropeços, de enganos amei É vergando esse oceano em mim Que descarrego o que não sei. 

TRAÇO

Imagem
Vem até meu sonho Lua de papel crepom Borboleta marinha Na concha do furacão
Margarida entre pistilos De sol em profusão Vênus das madrugadas De zumbir solidão
Vem estrela dos becos Caravela de botão Estância do mistério Ou jardim da tentação

Rosto que não lembro
Gesto sem se anunciar
 Primavera sem setembro
Sereia de nenhum mar 
Beijo de fogueira acesa Na centelha do estio Traço que inverte o céu No retalho do meu frio.

CÉU DE AÇAFRÃO

Imagem
O tempo em mim É sair pelo espaço E vazar imensidão Nas trilhas sem fim
Esse pensamento É como fosse abrir Ao sabor do vento O mar sem direção
Enlaço o instante Além do que vive E tudo que cante Dos frutos que tive
Som da ventania No céu de açafrão Do pó é que saía A alma feito grão...


Quão doce é ter de amar e o quanto tenho de sonho, Que em meio a doçura está   os versos que me disponho. J. Ribas

BARCO DE PAPEL

Imagem
Numa folha de papel colorido Dobro um barco com as mãos, Como se dobrasse outros tempos E o arremesso nas águas que vão
Desliza pela enxurrada que cai De nuvens que regam a imaginação, O barco que vem menos por nostalgia Que por uma lembrança que se trai
Pois quis ver motivos em barcos Em temporais que vazam no coração, Entanto são as horas que se arrastam Em durar, e fingir-se embarcação...


Que estou na equidistância de uma fração dividida, A alma reparte-se em mares que se evaporam da vida. J. Ribas

SALTIMBANCO

Imagem
Já fui o saltimbanco ligeiro Disfarçado em alegria, Nas praças exibi o espetáculo, Ao meu lado andava a magia Da ilustrada loucura E dos pantáculos;
Um dia quebrei as asas No salto escuro do trapézio, Entre o infinito e a dor Vivo agora sem rumo, Não sou herói nem bandido Pirata ou domador;
Piso as rimas Submersas pelo espaço, Viajo léguas sem compromisso Até as fragas do sonho, Não sei o que quero com isso Porém, disso me refaço.

§§
E lutei, como luta um solitário
Quando alguém lhe perturba a solidão.

Miguel Torga