Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2014

RITO

essa sede que me bebe além da sede que tenho e água nenhuma mitiga,
a obscuridade de existir sem cuidar que verdade liberte mais do que diga,
esse sonho que me fere mas que aquece o calor de me alcançar humano,
a esperança que retorna passos largos na aurora de esperar um novo ano!

CIRCUS MAXIMUS

Allez, allez – era o palhaço triste com aquele sotaque engraçado, enquanto o mormaço da tarde recolhia-se na asa do crepúsculo;
Nua, a bailarina dança no céu em seu trapézio quase invisível, animais terrestres e aquáticos tocam uma música selvagem num hipnótico cenário em P&B;
I’m sorry, ladies and gentlemen but there is no heaven’s stars here, I lost my name e and I’m so sad, (e tudo segue fora do roteiro...)
Deixa o vento cantar na lona gemidos de borboletas sufocadas Magrite, Miró, Salvador Dali... voar a transcendência humana é tão breve no sopro do tempo;
Porque aqueles anjos choram se não lhes é negado o paraíso? - Acorda, refém da poesia, é sonho o que faz nascer o artista...

TEOREMA

são tantos os delírios - as luas nuvens pesadas de sons afora cantam na chuva dos silêncios fisgados pelos olhos de querer;
entre pensamentos de sombra quadros esquecidos na parede as janelas olham as distâncias que, num sonho - penso ouvir;
as palavras voam sem direção querem-se revelar no teorema mas se perdem no não sentido, o que me cala é mais que tudo;
a porta se abre para o labirinto o sol nasce outra vez inflexível o ciclo recomeça na correnteza do tempo, que flui sem resistir.

ROTA

invento manhãs de aguardar o sol irromper à plena luz,
na curva traço tempo que afunda em promessa de mar,
certeza é não ir conjurar passagens antes de ser caminho,
existir de verdade é não ter as medidas em que se deva perder.

TORMENTA EM BLUE’S

sob dezembros de não mudar, de um céu azul cobalto, extraí ideias de não existir certezas,
e assim – desarrumo esse dia numa espécie de desencanto entre o humano, e transitório,
o filósofo tem razão, em dizer de sermos todos condenados à prisão extensa da liberdade,
mas nem o fato de saber isso do como é decisivo esse peso, impede a alma de se escutar,
e no antes que tudo houvesse, a tormenta nos ergue as asas mal supostas do sonho perdido.