FADO

o eco desse silêncio diz tudo
entanto, a palavra se arrisca
para cada estória sem o final
decidi pescar a vida sem isca;

a paixão me queima a língua
enquanto no tempo evapora
nessa liquefação dos delírios
a realidade - que vai embora;

sou um marinheiro sem navio
que não me limito a oceanos
tudo navego num céu incerto
sem me ater aos desenganos;

Ulisses sem encontrar o fim
somente avançar é meu norte
seja o nada o infindo um deus,
seja o acaso, destino, ou sorte...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM NA GARRAFA

VIDÊNCIA

O EQUILIBRISTA