FRONTEIRA

entre a porta fechada
e a hora de ir embora
entre a palavra certa
e o equívoco de mentir,

entre medos e esporas
e a anuência de sofrer
entre a abóbada do céu
e a ardência do nadir;

entre o beijo e a lua
equidistantes da alma
Ambrits Tamás - meiaseis.com
entre penumbra e sóis
contidos nos músculos,

entre a aurora do fim
e o riso da esperança
entre o Grimório mudo
e o nada dos opúsculos;

entre a ponte e o rio
na lâmina das espadas
entre sonhar ou dispor
da matéria dos mundos,

entre o ser e não ser
dos poderes que lutam
entre o eterno e o pó
espalhados nos fungos;

entre os olhos a voar
desde mares e trilhas
entre dedos de cerzir
a tapeçaria do ignoto,

entre o que é, e será
sem cuidar da partida
por cruzar a fronteira
de ser o que não volto...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEM PALAVRAS

CORAGEM

GIRASSÓIS