RAIO CLANDESTINO

desabotoei a clave de sol
na garganta
para cantar o que não sei
das palavras,

o mais perto que alcancei
de perfeição
foi o céu dourar o escuro
da madrugada;

se penso demasiado, viajo
num raio de cor
que matiza de luz as asas
das borboletas,

o que me falta de certeza
faço de inventar
uns modos de olhar coisas
fora do prumo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALÉM DA JANELA

CORRENTEZA

INÍCIO E FIM