NASCEDOURO

todo verso é substrato
como resíduo da alma
buraco aberto na vala
de subtrair o anverso,

e o verso indetermina
mal se sabe o começo
quando sei o que digo
num instante esqueço,

que o verso é um risco
uma espécie de perigo
um mergulho enquanto
- observa-se o umbigo,

pois um verso é senão
tangência, ângulo reto
grito aceso de silêncios
gestação antes do feto,

mas o verso não recua
gane, na hora de parir
depois vai, porta afora
quando a saída é não ir.

Comentários

  1. O poema traz forte a ideia de auto-regestação. A vaga impressão de reparar os inversos d'alma que se esconde sem tê-lo como apalpar. Os buracos,as marcas,esses,sempre farão parte de nós,mesmo contra nossa vontade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, pela atenção das palavras, esse texto é um mergulho na vida e no pensar a poesia! Abraços!

      Excluir

Postar um comentário

Comente os textos, suas críticas são bem-vindas e sugestões também. Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

SEM PALAVRAS

CORAGEM

GIRASSÓIS