CINZEL

me falha a inspiração
apelo ao meu silêncio
de séculos, guardado
sob a poeira de durar,

por fugir das palavras
é que sei andar na cor
do gosto e na ternura
das paisagens da vida,

se algum poema grita
outros não saem fora
mas se olho de frente
ocultam tudo que sou,

passageiro do inverso
ganho parte de existir
a inventar uns modos
de refletir - asperezas.

Comentários

  1. Desferiu-me em tamanha intensidade.

    Não sei comentar um poema, sequer uma morte. Disse, e digo, novamente, que, quando uma diagonal me acerta, caio para pensar sobre. Sempre assim.

    Volto, volto. Voltarei!

    Simplesmente adorei aqui. É lar!

    Flores, bons dias,

    Cassandra Ferreira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja sempre bem-vinda! Não é preciso comentar se o sentir já diz tanto! Um lar é mais que casa, lar é coração aberto! E você já conquistou o desse jogral! Grande abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Comente os textos, suas críticas são bem-vindas e sugestões também. Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

ALÉM DA JANELA

CORRENTEZA

INÍCIO E FIM