DESVOAR

minha casa é sopro
de ventos
a vela de um barco

sou flecha de seguir
partida antes
de pender-se o arco

se um dia desperto
e me fustigam 
franjas num sol azul
               
reinvento um norte
pois - certezas - 
desencontro ao sul

o que for da beleza
é preclaro do ser
revolvido em feridas

não há levezas no ar
sem pesar a dor
nas asas - na vida...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEM PALAVRAS

CORAGEM

GIRASSÓIS