RAIZ

Sigo de campos sem lua
com umas asas de cera
nos abismos me esvazio,

um tempo longe anuncia
a correnteza  do absurdo
e quase tudo fluindo rio,

Golpeio o desejo no olhar
fulmino a vida, os signos
e aguardo retornar ao pó,

talvez na rota do existir
reveja outras geografias
na confluência de ser só,

E quando sobre o ventre
do espelho sem memória
vir essa sombra de tudo,

de frente ao mar incerto
da minha alma sem raiz
retorne ao que não mudo...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEM PALAVRAS

CORAGEM

GIRASSÓIS