OUTONO DE PAPEL

Folhas avulsas
no chão, nas ruas
lixo indulgente,

pedaços de papel
guardanapos
folhas de jornal,

bulas de remédio
bilhetes amassados
panfletos voadores,

páginas rasgadas
rascunhos de teses
convites recusados,

recibos vencidos
mapas improváveis
lição de casa,

folhas avulsas
no tempo, no espaço
onipresentes.

São as águas de março fechando o verão...
Tom Jobim

Comentários

  1. folhas avulsas, fragmentos que constituem a vida... (sensível, belo!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é a ideia, caro amigo, como na minha região não existe o outono de fato, criei esse poético! abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Comente os textos, suas críticas são bem-vindas e sugestões também. Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM NA GARRAFA

VIDÊNCIA

O EQUILIBRISTA