LÂMINA


As Duas Fridas (1939) - Frida Kahlo

Cada dor está em seu lugar
Nem divido a ordem do tempo
O viajante está em seu lugar
Também o dia, o pensamento

O vigia que planta a aurora
Aqueles em fuga na ventania
A mulher, a janela, o espasmo
Do verdugo em sua litania

Tudo no lugar que lhe cabe
Borboleta partida, poeta ferido
Não rebato dúvida, causa do ser
Nem a porta que já não abre

As garras retorcidas do talvez
Cascas fendidas, tentações
Esses sonhos que furtam a lua
No espesso leito das visões

Cada dor tem o seu lugar
Seja mar, colina, céu nublado
Os loucos em redes de pesca
Bêbados por todos os lados
 
Os castos a despir-se o amor
Corruptos a revolver o cinismo
E o destino tem o seu lugar
 A lâmina nos olhos do abismo...

Comentários

  1. Respostas
    1. Obrigado, suas palavras sempre gentis! Abraço!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigado, seja bem-vindo a esse espaço de ideias poéticas!

      Excluir
  3. Cheio de metáforas bastante significativas. A vantagem da poesia é que cada um a interpreta por si próprio. bjs

    ResponderExcluir
  4. Concordo, uma vez que é a vivência de cada um que vai agregar valor ao sentido do texto. Fico feliz que tenha apreciado! Um abraço cordial.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente os textos, suas críticas são bem-vindas e sugestões também. Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

ALÉM DA JANELA

CORRENTEZA

MOMENTO