SELENE

a lua cheia que ansiei hoje
esteve um pouco na janela,

girou, depois voltou ao céu
fiquei com um retrato dela;

da lembrança, fiz o poema
que não cabe nessa estória,

da ausência, sigo a estrada
desde que perdi a memória;

com a vida distraio relógios
para me enganar do tempo,

e a lua com quem converso,
longe me fixa pensamentos...

virá mais uma vez, aguardo
outra fase, em outra janela,

nesse dia, prendo suas asas,
finda-se de vez com a espera.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEM PALAVRAS

CORAGEM

GIRASSÓIS