BELEZA

me dispo na bruma o verbo
na clareira oculto a sombra
provisório, navego o eterno,

nos mares agito os penedos
das cercanias a me revolver
é que cavalgo a fera, o medo,

no corpo estilhacei a palavra
canto, da poeira aos montes
finjo o labirinto que me cava,

sigo a trilha que se esconde
beleza, é esse voar sem asas
numa dor sem saber de onde.

Comentários

  1. Lindo poema. Falar sobre a beleza,o amor e a vida nunca foi difícil aos artistas. Esses nesse ínterim são os mais responsáveis pela beleza que existe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Lima Sousa, a arte existe para que a realidade não nos mate, como disse o Nietzsche! Abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Comente os textos, suas críticas são bem-vindas e sugestões também. Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

SEM PALAVRAS

CORAGEM

GIRASSÓIS