CHUVA

há alguma coisa de partida
em cada beijo
o abraço mantém distâncias
em segredo,

o calor encobre frios ocres
transidos em brasa
numa febre de se enredar
sobre espelhos,

o que será que nos redime
de não ser
de não poder abarcar céus              
e terra num grito?

o que falta para completar
o ciclo do grão
para se restaurar um novo
e perene ciclo?

o amor respinga sim e não
é chuva viva
na aridez insigne, inóspita
do nosso chão.

Comentários

  1. "o amor respinga sim e não
    é chuva viva"

    Chuva viva!!!!
    Que poema lindo J. Ribas!

    Grata por nos visitar e seguir!
    Seguindo de volta e adorando teu cantinho!

    (=

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Seja bem-vinda a esse lugar de ideias! É nossa escolha escolher sim ou não para que o amor nos irrigue a sede! Abraço!

      Excluir
  2. Que chuca mais linda!!!

    Olá J. Sou uma das autoras lá do Nós Poéticos.
    Vim conhecer teu blog!
    Me encantei!
    Um grande abraço!

    Já seguindo!
    http://pensamentosvalemmaisqueouro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O blog de vocês é uma ótima proposta, gostei muito! Vou seguir o seu também, com prazer. Abraços a todos do blog!

      Excluir

Postar um comentário

Comente os textos, suas críticas são bem-vindas e sugestões também. Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

ALÉM DA JANELA

CORRENTEZA

INÍCIO E FIM