QUEFAZERES


Abstrato em azul e cinza - por: J.Ribas

Abrandou a ventania para
enlaçar as nuvens;

Desocupou os canteiros
para regar o tempo;

Gravou o solo da chuva
nos ecos do segredo;

Condenou aranhas à luz
das réstias de sol;

Agitou a poeira no circo
das minudências;

Deu asas ao mar quieto
dos olhos da moça;

Resgatou o seixo perdido
e o cravou no rio,

- Crueldade de poeta
é ternura disfarçada.

o traço se espaça curvas no espaço...
J. Ribas

Comentários

  1. Gosto da sua poesia, J., sobretudo pela força das imagens.

    "Deu asas ao mar quieto
    dos olhos da moça"

    "Há uma parte de mim
    que determina caber no vazio,"

    "qual cor vestirá o branco
    das nuvens pelo caminho?"

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz, um poeta expressa o que lhe vai por dentro, a palavra é sua conexão com o pensamento! Abraços!

      Excluir

Postar um comentário

Comente os textos, suas críticas são bem-vindas e sugestões também. Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM NA GARRAFA

VIDÊNCIA

O EQUILIBRISTA