ARRANJO


nesse lago me esvazio dos silêncios
lugares e coisas que não arrisquei

do relevo da memória, partido
em quantos cacos restam e estrelas

a lágrima se perde na aridez
da areia que pulveriza os desertos             

mas insisto em regar as flores
que plantei em canteiros descuidados

e a compor essas canções
em redondilhas que gravo no escuro.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM NA GARRAFA

VIDÊNCIA

O EQUILIBRISTA