PALAVRA

 
Malabarismo - por J. Ribas 

Agito das linhas frágeis
Da quase loucura humana
A palavra a sangue-frio
Feito um corte na veia

Quis mesmo a palavra crua
Remendada, de sabre no olho
Vexada rota seminua
Como sopro que incendeia

Que sejam as corriqueiras
A reles, riscadas a giz
Saindo das bocas nas feiras
A devorar o que ninguém diz

E não esqueço, é a palavra
Que goteja sangue, universos
Refugo que nutre e lavra
As mutações do aprendiz...


Com a alma só comovida
Do sonho e pouco da vida.
Fernando Pessoa
                                    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM NA GARRAFA

FILME NOIR

VIDÊNCIA