DESPERTAR

Sempre havia uma forma
de pular no rio, de pegar a nuvem
de inverter as coisas, depois dormir,

então, catar no silêncio do lago
isso que emerge quando se escuta
umas não linguagens mudas de sentir;

Sempre havia um jeito
de mudar o mundo, comer a fruta
colhida na lua, viajar numa estrela,

então, recomeçava o dia
mesmo que fosse a mesma história
e nem mesmo sonhos pudessem detê-la;

Sempre havia aquela fenda
na fresta da porta, ou no telhado
no escuro da vida, e essa esperança,

como se tudo feito mais leve
domasse a tristeza, fel desse mundo
e tudo em nós acordasse mais criança…

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BARCO DE PAPEL

DISPERSÃO