À ESFINGE

perdido como as peças
de um enigma sem fim
colorido com os cinzas
que um fogo incendiou,

Esfinge grega
da textura de memórias
que já foram escritas
pela boca de profecias
que o oráculo inventou,
                     
feito a pele da noite
eriçada de um calafrio
entorpecido pelo vinho
que Baco em rito bebeu,

procurava uma resposta
à sombra das esfinges
mas só me vem o reflexo
num espelho que sou eu...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILME NOIR

MENSAGEM NA GARRAFA

AO DESTINO