TRÂNSITO

na carne terrosa da alma:
- mundos e sementes
e nos meus dedos desliza
a água dos tempos,

leio a efemeridade do sol
que arde na veia
nesse sangue de persistir
oceanos a pulsar,

Simon Siwak - meiaseis.com
me infiltro na constância
de amoldar sonhos
mesmo que não detenha
elementos, alquimias,
                                
nebulosa de domar a dor
passageiro de durar
ultrapasso nuvens de ver
e razões a supor,

me arvora é desse sentir
o eco no absconso
a repetir-se entre átomos
o trânsito incompleto,

sem deter nem a certeza
ou o efeito da soma
senão, unido à incógnita
partir sem eternidade...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FILME NOIR

MENSAGEM NA GARRAFA

AO DESTINO