DESTREZA

Nenhum lugar me pertence
embora delimite o território
e dele me aproprie,

Nenhuma onda me devolve
embora continue a marcha
a lassos ventos,

O sorriso que ofusca o outro
no espelho, sabe da estória
mal contada,
                          
Se havia anjos, não escutei
ainda, o sussurro das asas
entre sombras,

Vaguei quanto há de imenso
um oceano de fúria e medo,
e noite em mim...

E nesse exercício de ser só
divido da condição humana
sem ter como repartir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM NA GARRAFA

VIDÊNCIA

O EQUILIBRISTA