PELE DE VIDRO

Retirei as escamas
da pele de sombra
vesti essa feitura
de espaços indivisos
e lágrima de brasa,
 
Não vejo o espelho
de levar o que sei
às luas sem nome,
dentro de sentir fere
uma nudez de fogo,

Quando a vontade
se encrava na luz
acesa entre nuvens,
dói a fome em tudo
que sei de esperar.

Comentários

  1. O abstrato nos versos é uma habilidade para poucos. Em você ela flui livremente. Muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezo muito sua palavra, pela didática fluente e crítica, e aprendo mais sobre poesia. Penso que o abstrato nos versos é o modo para comunicar o indefinido, matéria do fazer poético. Grande abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Comente os textos, suas críticas são bem-vindas e sugestões também. Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

ALÉM DA JANELA

CORRENTEZA

INÍCIO E FIM