FUMAÇA

Meu transitório é o canto
de jamais partir,
sem largar sobre a soleira
os feixes de pegadas,

não existo antes de pisar
o umbral da porta,
não existo depois de ir-se
os passos na estrada;

Me fogem os meus dias
tragados em nuvens,
nas asas riscadas em vento
e aves de fumaça,

que tempo é o sol que foi
a me levar na areia?
- o que restou nesses olhos
é tudo que não passa...

Comentários

Postar um comentário

Comente os textos, suas críticas são bem-vindas e sugestões também. Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM NA GARRAFA

FILME NOIR

VIDÊNCIA