CONTRADIÇÃO


Photo by Christy Lee Rogers - 
www.christyrogers.com


não quero ser poeta 
me lanço à poesia
via ao leste do incerto
e aos poucos se desvia
água que escorre rija
faz-se lava de vulcão
embora palavra, todavia;

não quero ser poeta
mesmo que pela porta
que nada impedia
abra-se de repente
esse sésamo dos casos
do ser das coisas das gentes
e o caos que tripudia;

não quero ser poeta
trafego essa órbita
que em vão me consumia
e que me incompleta
em letra, areia e espuma
a onda, a bruma
o mar que não havia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALÉM DA JANELA

CORRENTEZA

INÍCIO E FIM