Legado e outro poema


Sem título - por J. Ribas

LEGADO

Trago estórias escritas na janela
Do sonho, por eras intermináveis,
O vir a ser dos tons esmaecidos
Subtraídos dos retalhos de viver

Trago variedades do impossível
De acertar por vias e estâncias,
Disso que mal suspeito distinguir
E toda essa realidade proposta

Trago dentro, alentos pródigos,
Muitas perguntas sem resposta
E os acordos falazes do mundo
Que adiaram as lutas do infinito

A rebelião do oceano em fúria
As quedas inevitáveis do sonho,
E de um território não lembrado
Lanço brados pela madrugada

Trago o betume, a vala comum,
O casulo de borboletas nascidas
Do pântano da alma, que a vida
Pôs dispersas, a voar em calma.


Mergulho - por J. Ribas

POEMA ESCURO

Na meia noite da minha vida
Vejo por um instante o clarão
Que faz brilhar uma lembrança
Das muitas que ainda virão

As escolhas certas que não fiz
E dos equívocos sinceros e ciladas
Vi trocar-se alhos com bugalhos
E depois, não havia mais nada

Uma escuridão que se faz brilhar
Na calada silenciosa da alma
As perguntas que me vêm falar
Das distâncias, e das brumas

O escuro que faz por iluminar
A praia por entre as espumas
Dos intermináveis desencantos
Que não quero mais navegar

Nessa hora renascem velhos
Os fantasmas, e o passado
Atravessam um território proibido
Que entre muros tenho guardado


Dança ao sol  - por J. Ribas 

Vivo com certas palavras,
abelhas domésticas.

João Cabral de Melo Neto





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM NA GARRAFA

FILME NOIR

VIDÊNCIA