RETRATO

falava pouco, aquele retrato
tecido em silêncio inaudível 
dizia muito a remoer o pasto
pelas regiões de não lembrar,

depois, emudecia as estórias
Fia Doepel  - www.ideafixa.com
no entornar de mares vazios,
- onde encontrar “o que sou”
de outro tempo já exaurido?

“o que sou” de agora refazia
a imagem, às vezes, nublada
a derramar-se em chuva gris
numa dimensão de imaginar,

escuto das cores desbotadas
plainar meus olhos distantes
a tessitura das horas na teia
numa linha a tecer universos,

porém, não ouvirei do retrato
mais que sombra e ausência
como uma praia já esquecida
cujas ondas não podem voltar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEM PALAVRAS

CORAGEM

GIRASSÓIS