IN-DEFINIDO

guardo ainda a chave
de mundos pouco prováveis
e, que sendo assim,
destituídos de existir,
persistem como concepções
de um hipotético vir-a-ser;

guardo sombras invertebradas
frases de efeito, a pele do invisível
o silvo do vento nas enxovias
o pó empalhado do tempo
a ausência petrificada
de sonhos esquecidos;                                                                
quem dera acreditar
no que pudesse haver de crença
e por um instante rematar
os nós dessa teia sem início
a emaranhar seus fios
de noite de frio de silêncio;

mas esqueci de guardar
um roteiro presumível
da equação que pudesse definir,
das indefinições humanas,
uma - cujo número fosse
suficientemente infinito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALÉM DA JANELA

CORRENTEZA

INÍCIO E FIM