SALTIMBANCO




Já fui o saltimbanco ligeiro
Disfarçado em alegria,
Nas praças exibi o espetáculo,
Ao meu lado andava a magia
Da ilustrada loucura
E dos pantáculos;

Um dia quebrei as asas
No salto escuro do trapézio,
Entre o infinito e a dor
Vivo agora sem rumo,
Não sou herói nem bandido
Pirata ou domador;

Piso as rimas
Submersas pelo espaço,
Viajo léguas sem compromisso
Até as fragas do sonho,
Não sei o que quero com isso
Porém, disso me refaço.

§§

E lutei, como luta um solitário
Quando alguém lhe perturba a solidão.

Miguel Torga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SEM PALAVRAS

CORAGEM

GIRASSÓIS